Quando 99% de uma Empresa tem 1 nome: Equipa

Quando 99% de uma Empresa tem 1 nome: Equipa

Rubrica: Os R’s de uma Líder                     Artigo #1

As questões que se iniciam com a palavra “como” surgem em cinerama na mente de qualquer Decisor.

Como liderar? Como tomar as decisões certas? Como acrescentar mais valor ao que fazemos? Como alinhar a Organização na mesma direção e melhorar o desempenho?

Desenvolvem-se fórmulas, manuais e soluções práticas a aplicar na busca das “rotas” e “meios de transporte” infalíveis para chegarmos ao destino de forma mais rápida e segura.

Para a grande questão “Como construir uma equipa?”, será suficiente seguir atalhos?

Muito provavelmente, a resposta é não.

Grande parte das preocupações e deveres de quem decide resumem-se, na maioria das vezes, a 1% daquilo que realmente faz uma Empresa funcionar e prevalecer.

É certo que sem objetivos, planos e ações não existe a Organização. Mais ainda, sem Pessoas com um Intento comum, que transcende o individual, nenhuma Organização conseguirá vingar.

Partilho convosco 3 ingredientes que considero essenciais para que uma Equipa seja mais do que um nome.

3 Ingredientes essenciais para construir uma verdadeira equipa
1. Sentimento de Comunidade

Todos trabalhamos ou damos de nós em troca de algo valioso para a nossa sobrevivência – o poder de compra -, mas nem todos apenas com esse fim em vista.

Todos sabemos que existem as chamadas “boas práticas” associadas a qualquer tarefa ou função, mas nem todos as aplicamos ou queremos aplicar.

Todos somos coniventes ou intransigentes em relação a alguns temas ou situações, mas nem todos na mesma medida.

Todos vivemos o “ter de”, mas nem todos sofremos com o “não conseguir”.

Por serem feitas por e de Pessoas, todas as Instituições encerram diversidades e idiossincrasias.

Porém, além das burocracias e lugares comuns, parece existir uma espécie de interseção invisível que faz com que um grupo de Pessoas seja mais do que isso e uma Empresa funcione realmente: o sentimento de Comunidade. Porquê? Ora vejamos:

Podemos traçar o plano mais ambicioso e inovador, sem executores que o aceitem e compreendam, não passará de mais um projeto.

A menos que acredite ser capaz de Construir uma Empresa sozinho, trabalhar com um conjunto de Pessoas Obedientes não é o mesmo que trabalhar com uma Equipa envolvida.

Sem a Vontade de uma Equipa, só existe a de quem Decide. Só com a Vontade de quem Decide…

Prosseguimos?

 2. Sentido de Urgência

Cada vez mais, para garantir um lugar no Futuro, os modelos de negócio devem estar em constante adaptação ao evento mais comum nos nossos dias – a Mudança.

Procuramos acompanhar as mais recentes tendências, as transformações do mercado, os avanços ao minuto na tecnologia, entre tantas outras mudanças, sempre na expetativa de algum dia conseguirmos antecipar o próximo passo a dar, antes mesmo que a necessidade de o fazer aconteça.

Existem momentos gatilho que tornam urgente desafiar o Grupo de trabalho com novas informações e necessidades, instigar a ação na procura de respostas.

Contudo, este(s) sentido(s) de urgência apenas se materializa(m) se existir uma oportunidade de Progresso individual, proporcional ao Compromisso coletivo necessário. O que quero dizer com isto?

Sem o Compromisso de uma Equipa, só há o de quem Decide. Só com o Compromisso de quem decide…

Avançamos?

3. Continuidade

Associados a cada mudança, surgem novos desafios: como transformar o status quo sem perder o que construímos até aqui?

No que respeita à construção de uma Equipa, a Continuidade é o verdadeiro desafio e, neste caso, representa a arma real.

Tão relevante como saber o que deve ser mudado, é saber o que nunca deve ser: o que defendemos e por que existimos.

É verdade que não é possível forçar uma Identidade que não existe.

Não menos verdade é que, quando autênticos e partilhados, os Princípios e o Motivo, que constituem o núcleo duro da Organização, permanecem intactos.

Só com o Motivo de quem Decide, não há Equipa. Sem Equipa…

 A conclusão parece óbvia, não concorda?

 

Acredito que cada um destes 3 ingredientes se alimenta de forma recíproca.

Se conseguirmos mantê-los vivos, apesar da sua complexidade, a engrenagem dos 99% que sustentam o precioso 1% está bem oleada. E tem um nome: Equipa.

 Atrevo-me a perguntar-lhe: como estão os 99% da Sua Empresa?

 Por Ana Lopes

Rubrica de Ana Lopes